Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DIZERES MEUS

DIZERES MEUS

24
Fev05

História Conduzida Sem Fio Condutor,

dizeresmeus
«Vamos para onde?» Disse o taxista com tom mecânico e eu respondi: «Vamos bem...», como se me tivesse preguntado como estava. Então, vendo que eu estava distraido, tentou psicoanalisar-me com pensamentos erráticos e rebuscados, fazendo jus ao seu trabalho e à concepção estereotipada que temos de um taxista. Mas atenção, não quero com isto dizer que os taxistas sejam todos rebuscados, porque isso seria o mesmo que dizer que Eu mesmo (e 99,9% da população portuguesa) somos taxistas e isso é coisa que eu nunca diria, porque por um lado não sou taxista e por outro, não sou rebuscado. Se alguma vez fui rebuscado, isso deve-se a que evidentemente nunca me buscaram o suficiente, e isto consigo prová-lo, porque nunca fui encontrado.
Bem, mas voltando ao fio condutor desta história: Era um dia frio, e estava de volta do país vizinho, com a paciência no limite, e a atenção também em baixo, por isso após ouvir um discurso quasi freudiano de improviso, lá respondi: «Para os Olivais... Junto ao Shopping». Com isto, o semblante do personagem transfigurou-se, para aquele a que estamos acostumados a ver atrás do volante de um Mercedes 190D importado. «Anda um gajo aqui uma hora e tal à espera e tinha logo que me vir um serviço aqui para o lado...». Não respondi a esta não-pergunta. Até chegar ao destino não abri a boca, voltei a distrair-me com a minha vida, voltei a pensar na morte de muitas bezerras, enquanto ao fundo podia ouvir os grunhidos em surdina vociferados pelo condutor.
Em cinco minutos chegámos, em 10 segundos paguei e saí. Inspirei fundo e cheguei a uma conclusão sobre mim mesmo: Que eu seja rebuscado ou «buscado» não é importante, sou como sou, e não vale a pena tentar mudar-me. Eu que me preguntava se seria certo ser grandiloquente, cheguei à conclusão que afinal sou mesmo um grande delinquente do idioma português, com palavras como «buscado» que aparecem aqui por causa da viagem.
Isto de ser português e de aprender facilmente outros idiomas é tramado, quando voltamos ficamos sempre a perder, contaminamo-nos sempre com os outros linguajares.
Quanto ao Taxista, não sei, nem me lembro se recebi o troco...

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2005
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2004
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D